Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Restaurante’

Nova York tem vários lugares bacanas para passear e alguns deles juntam gastronomia e compras.

Queria visitar o Chelsea Market que fica numa antiga fábrica de biscoitos que foi revitalizada e hoje abriga um mercado com  restaurantes e diversas lojas, mas devido ao tempo, não consegui ir até lá.

Andando pela 23rd St, acabei encontrando o Eataly meio por acaso, quase na esquina da 5th Av e Madison Square Park. Já tinha lido algumas matérias sobre o local e queria conhecê-lo, mas não tinha anotado o endereço.

Com um pé na Itália e outro em New York, o Eataly é um mix de mercado gourmet de alimentos e vinhos made in Italy, com áreas para compras por todos os lados (com padaria, açougue, peixaria, bebidas, livros, itens de cozinha), para cursos (La Scuola di Eataly) e para comer (12 bares/restaurantes/sorveteria em diferentes especialidades). Por fora não dá para ter noção de como é grande.

É comum encontrar termos como incrívelimpressionante, maravilhoso e tentador para descrever o lugar; para os foodies é realmente uma perdição!

O nome faz um bom trocadilho em inglês com Itália e comer (“Italy is Eataly“) eYou are what you Eataly.

Ele foi inaugurado em 2010 e é um empreendimento de 3 famosos chefs de cozinha nos EUA, Mario Batali, Joe Bastianich, Lidia Matticchio Bastianich e o fundador do Eataly Oscar Farinetti.

O Eataly surgiu em Turim, na Itália, em janeiro de 2007, e hoje possui filiais em mais 5 cidades italianas, 4 no Japão e 1 em New York.

É um ambiente diferente e agradável (se você não se importar muito com multidões e filas, é claro!), bom para degustar produtos italianos em New York.

A descrição e a origem dos produtos é informada em pequenas placas, nas paredes e em painéis, destacando as características das diversas regiões do país e os produtores regionais.

Geralmente é bem cheio, principalmente no horário do almoço e aos sábados, o que pode exigir um pouco de paciência e disposição para conhecê-lo. As “lojas” e restaurantes são juntos, o que deixa o lugar um pouco confuso, pois se misturam ao mercado (são aproximadamente 5000 metros quadrados).

Numa área um pouco mais reservada está o o restaurante mais requintado e famoso do lugar, o único tradicional com serviço completo. Além das carnes, especialidade da casa, eles oferecem peixes e massa. Recomenda-se fazer reserva (dá para fazer pelo Open Table) pois suas mesas são disputadas e a espera pode ser longa.

Como não havia feito reserva, dei uma volta para ver onde poderia almoçar e optei pelo La Pizza & La Pasta, que fica próximo a padaria. Como o nome sugere, a especialidade são as pizza napolitanas e massas frescas.

As escolhas foram Spaghettone Cacio e Pepe ($14), uma massa al dente com queijo Lazzio e pimenta preta, que estava muito saboroso.

E um delicioso papardeli com ragú e pequenos pedaços de frango.

Bebi uma Moretti Bionda ($5), uma cerveja italiana muito boa que ainda não conhecia! Eles também oferecem vinho em taça e em garrafa.

Vale a pena provar também os doces. A dificuldade é escolher entre as belas opções.

Fiquei com vontade de conhecer melhor o Eataly e provar os outros restaurantes. Mais uma razão para voltar a NY.

E você já conhece o Eataly? O que achou do lugar?

Serviço
Eataly NY
200 5th AVENUE
New York, NY 10010
Entradas pela 5th Avenue e 23rd Street

Leia também
Exposição Harry Potter – o bruxo mais famoso do mundo
Pompéia, a cidade destruída pelo Vesúvio
Butcher’s Market, a piece of New York no Itaim
Mercado Municipal de São Paulo
Pinacoteca do Estado de São Paulo

Siga o Por Todos os Lados no Twitter: @PorTodosOsLados

Read Full Post »

Já tinha ouvido alguns comentários sobre o Butcher’s Market e fiquei com vontade de conhecê-lo. Instalado num pequeno galpão no Itaim Bibi, o local é inspirado nas hamburguerias americanas.

A fachada é simples e discreta. Se não estivesse procurando o número, talvez teria passado sem perceber. A parte interna também é rústica e tenta reproduzir o ambiente de restaurantes das áreas do Brooklyn e Meatpacking. Esta placa na porta apresenta a proposta do restaurante.

O chão é de cimento queimado, com iluminação baixa e muitos objetos vintage trazidos dos Estados Unidos. Para dar o clima de açougue (butcher’s market, em inglês), há ganchos pendurados no teto, facões e moedores de carne. Pinturas de peças de carne estão espalhadas pelas paredes, assim como o cardápio e sugestões escritas em giz. A cozinha é aberta e dá para vê-la do salão.

O cardápio não é extenso. O destaque são os hambúrgueres feitos com ingredientes produzidos pela própria casa. Fiquei tentado a provar o Pork Bun (pão chinês cozido no vapor, recheado com carne de porco, pepino agridoce, cebolinha e molho coreano à base de pasta de feijão), mas achei melhor deixar para comer este prato num restaurante chinês. Pedi de entrada a tradicional batata frita, que chegou a mesa fininha e crocante.

Na sequência a escolha foi o Mushroom Burger – hambúrguer de 180 g com cogumelos salteados, queijo mussarela (R$ 27), que veio no ponto certo e com a carne bem saborosa. Os champignons também estavam gostosos.

De sobremesa a pedida foi o Icecream Sandwich, um sanduíche com 2 cookies de chocolate (1 de chocolate e 1 tradicional) e recheio de sorvete Häagen-Dazs (R$ 17). A apresentação poderia ter uma apresentação mais bonita. Como o cookie estava um pouco duro, foi difícil comer sem “destruir” o doce.

Como cheguei cedo (logo que abriu), estava vazio e foi enchendo aos poucos. O atendimento foi bom, até divertido (a atendente havia decorado a descrição da sobremesa, e quando fiz uma pergunta, ela se perdeu. rs…).

Serviço
Butcher’s Market
R. Bandeira Paulista, 164 – Itaim Bibi
São Paulo – SP – Brasil
Tel: (011) 2367-1043

Leia também
Mercado Municipal de São Paulo
Festa italiana da Achiropita no Bixiga em São Paulo
Pinacoteca do Estado de São Paulo
– Brigaderia, uma loja para quem adora brigadeiro
Mercado Ver-o-peso, conhecendo a cultura paraense

Siga o Por Todos os Lados no Twitter: @PorTodosOsLados

Read Full Post »

Sempre que posso, gosto de experimentar comidas diferentes. O escolhido desta vez foi o Portal da Coréia, no bairro da Liberdade, em São Paulo. Fazia muitos anos que não ia a um restaurante coreano e a lembrança que tinha da última vez era ter saído “defumado” do local. Na entrada há um grande portal de madeira e tambores que remetem a Coréia.

A casa oferece uma boa variedade de pratos da culinária coreana, e felizmente, o cardápio tem foto de cada um deles, o que ajuda bastante na hora de escolher. Estava me sentido um pouco fora do país, meus vizinhos de mesa só falavam coreano!

Escolhi o Bulgogui, um tipo de churrasco de finas tiras de carne com um tempero bem suave e que você mesmo prepara num fogareiro instalado no centro da mesa.

Este é o motivo de ficar “defumado” na maioria dos lugares, mas aqui eles resolveram este problema com a instalação de exaustores sobre as mesas. Cada mesa tem um, o que confere um visual diferente ao restaurante.

Este prato vem acompanhando de tofu (queijo de soja), kimchi (acelga em conserva apimentada), moyashi (broto de feijão), amêndoas, abobrinha e pedaços de um tipo de omelete (serve 2 pessoas).

Outro prato típico que provei foi o Bibimbap, um arroz com legumes e ovo cru que deve ser mexido com todos os ingredientes numa cumbuca de pedra bem quente, o que forma uma crosta crocante no fundo da tigela e cozinha o ovo. Os coreanos comem com um molho de pimenta bem forte, como a maioria dos pratos coreanos. Para os que não gostam de nada picante ou não podem comer pimenta, uma alternativa é utilizar molho de gergelim.

Acho que fiquei tão entretido com o preparativo do prato que esqueci de tirar uma foto dele.

O bulgogue fez sucesso e foi aprovado. Já o bibimbap não agradou a todos, mas recomendo prová-lo para ter a sua própria experiência. Foi divertido preparar os pratos.

Portal da Coréia
Rua da Glória, 729 – Liberdade – São Paulo – SP
Tel: (11) 3271-0924
Segunda a sábado das 12h às 14h30 e das 18h às 22h.

Leia também
Brigaderia, uma loja para quem adora brigadeiro
Lamen Kazu: comida japonesa tradicional
Pezão em Indaiatuba, um bom restaurante no interior!

Siga o Por Todos os Lados no Twitter: @PorTodosOsLados

Read Full Post »

Seguindo a dica da Juliana, a parte carioca do Por Todos os Lados, fui conhecer o Botequim Chico & Alaíde, no Leblon no Rio de Janeiro. Era uma sexta-feira a noite e o lugar estava lotado. Para minha surpresa, quem veio nos recepcionar? O próprio Chico! Muito gentil, nos deu as boas vindas e disse que providenciaria uma mesa para nós.

Logo estávamos acomodados. O ambiente é super agradável e animado, estava me sentindo como um habitueé da casa.

O menu tem diversas opções para degustar. Comecei pelo Bolinho da Alaíde, feito de aipim com camarão e catupiry. Divino!

Isso só abriu o apetite! Prossegui com o Choquinho de camarão, de aparência inusitada e muito saboroso. A batata palha que envolve o bolinho vem crocante e o recheio de camarão é delicioso.

Não podia faltar o Croquete de carne, sequinho.

E o Bolinho de aipim com carne seca? A Alaíde é cozinheira de mão cheia!

Com o nome incomum, o Totivendo de jerimum com camarão e catupiry lembra um escondidinho.

Queríamos experimentar outros petiscos, mas já estávamos super satisfeitos e seria pura gula. Então pedimos como sobremesa Brigadeiro de Colher e Goiabada com catupiry, mas não agradou muito.

Ok, os doces não são especialidade de botequim, mas os salgados são maravilhosos e valem muito a pena!

Botequim Chico & Alaíde
Rua Dias Ferreira, 679 – Leblon
Rio de Janeiro – RJ – Brasil
Tel.: (21) 2512-0028

Posts relacionados
Um Sábado Intenso no Rio de Janeiro
Casa Cavé, Rio de Janeiro

Siga o Por Todos os Lados no Twitter: @PorTodosOsLados

Read Full Post »

Em pleno centro histórico de Belém, às margens do Rio Guamá, o Mangal das Garças é um parque ecológico com espécies nativas da região amazônica numa área de 40 mil m2 no entorno do Arsenal da Marinha. É uma área que foi revitalizada por idealização de Paulo Chaves Fernandes (o mesmo da Estação das Docas e da Casa das Onze Janelas).

A entrada no parque é gratuita e a visitação a determinadas áreas são pagas – R$3,00 por pessoa em cada local (Farol, Borboletário, Viveiro das Aningas, Museu).

O Museu Amazônico da Navegação é bastante simples e tem peças, equipamentos e modelos de barcos utilizados na região.

No andar de cima fica o Manjar das Garças, considerado um dos melhores restaurantes da capital paraense (infelizmente não consegui conhecer). O salão é todo de madeira e com vidros de onde é possível apreciar a vista da Baía do Guajará, um ótimo visual.

O Farol de Belém é uma torre com mirante a 47 metros de altura que oferece uma boa visão do entorno.

No Viveiro das Aningas ou Viveiro dos Pássaros você tem contato direto com os pássaros que ficam livres e circulando pelo local.

No Borboletário (Reserva José Márcio Ayres) é possível observar algumas espécies de borboletas num ambiente natural.

De repente começou a chuva, típica da cidade. Hora de aproveitar para uma pausa.

Parque Ecológico Mangal das Garças
Praça Carneiro Rocha, s/nº
Cidade Velha – Beleém – PA – Brasil
Telefone: (91) 3242-5052

Links relacionados
A Portinha de Belém
Casa das Onze Janelas em Belém
Sorvetes Cairu, os mais famosos e melhores de Belém
Estação das Docas, o porto de Belém revitalizado
Mercado Ver-o-peso, conhecendo a cultura paraense

Read Full Post »

A culinária paraense, que possui forte influência indígena, vem ganhando bastante destaque por utilizar produtos regionais em seus pratos – como a maniva, bacuri, muruci e outros, ainda pouco conhecidos no sul do Brasil, mas com entusiastas como Alex Atala, do D.O.M, Ana Luiza Trajano, do Brasil a Gosto e Claude Troisgros.

Fui conhecer o restaurante Lá em casa – Estação das Docas, destaque em diversos jornais, revistas e guias, considerado como um dos melhores de comida paraense. A proposta do Lá em Casa é oferecer uma comida caseira e de alta gastronomia.

O chef Paulo Martins obteve grande reconhecimento pelo trabalho de divulgação da cozinha do Pará dentro e fora do país. Em 2008 recebeu a visita dos chefs espanhóis Ferran Adrià e Juan Mari Arzak que queriam conhecê-lo. Martins, arquiteto de formação, assumiu o restaurante da mãe, dona Anna Maria, em 1978. Morto em setembro de 2010, hoje sua filha Daniela dá continuidade ao seu legado, supervisionando a cozinha e a execução das receitas criadas pelo pai.

Provei o Peixe do chefe (file de pescada amarela a milagres recheada com queijo e arroz com jambu e batatas fritas).

O Haddock paraense (posta de peixe da Vigia, levemente salmonada e colorida com urucum, defumada em fumeiro caseiro. Molho de manteiga, alcaparras e limão, acompanhado de batatas sauté) estava delicioso.

De sobremesa pedi a Delícia Quente (inusitado bolo de chocolate com castanha, servido quente e acompanhado de sorvete de bacuri coberto com calda quente de chocolate).

O Profiteroles de bacuri (bombas recheadas de sorvete de bacuri cobertas de divinal calda quente de chocolate) não agradou muito, o gosto do sorvete é muito forte.

Lá em Casa – Estação das Docas
Av. Boulevard Castilho França, Estação das Docas, Galpão 2, Loja 4
Campina – Belém – PA – Brasil
Tel.: +55 (91) 3212-5588

Links relacionados
A Portinha de Belém
Casa das Onze Janelas em Belém
Sorvetes Cairu, os mais famosos e melhores de Belém
Estação das Docas, o porto de Belém revitalizado
Mercado Ver-o-peso, conhecendo a cultura paraense

Read Full Post »

A Estação das Docas é resultado do trabalho de restauração dos armazéns do antigo porto de Belém que o transformou num complexo turístico muito bacana com um terminal fluvial – de onde partem alguns barcos para passeios pela orla, gastronomia – são várias opções de bares e restaurantes, cultura – teatro, exposição, música e dança, além de lojas e feira de artesanato.

O local é tombado pelo Patrimônio Histórico e tem uma exposição permanente com relíquias da atividade portuária de Belém e do Forte de São Pedro Nolasco, encontrados durante as escavações da obra.

A Estação foi inaugurada em maio de 2000 e abriga 3 galpões climatizados (um grande conforto, visto o calor que faz na cidade) que mantiveram a estrutura de ferro inglês original fechada com grandes paredes de vidro, de onde pode-se observar o Rio Guajará e os guindastes que são a marca do lugar.

Também é possível caminhar pelo calçadão da área externa e aproveitar a brisa da orla.

 

Amazon Beer

A Amazon Beer é uma cervejaria regional produz suas cervejas por lá, num dos galpões da Estação. Ela vem sendo apontada há alguns anos como a melhor da cidade, um lugar perfeito para um happy hour.

As cervejas são produzidas no local.

Provei a Amazon Forest, uma pilsen bem leve e a Amazon Red, que tem uma cor avermelhada e um sabor forte. Outras opções são a Black, que tem malte torrado, a Weiss, de trigo, e a Bacuri Beer, com a essência desta fruta.

A lingüiça de metro na tábua faz sucesso, várias mesas estavam degustando este petisco.

 

Resto das Docas

Outro restaurante que conheci foi o Resto das Docas. Eles trabalham com sistema de bufê no almoço e à la carte no jantar.

Provei o camarão a provençal (camarão regado na manteiga acompanhado de risoto de tomate seco).

 

A Estação das Docas um lugar super agradável e que vale a pena a visita para conhecer e comer em um dos bons restaurantes que estão no local.

Outras cidades poderiam aproveitar a ideia e revitalizar seus portos, da mesma forma que Belém, Barcelona e Buenos Aires.

Estação das Docas
Boulevard Castilhos França, 707 (próximo ao Mercado Ver-o-peso)
Belém – PA, Brasil
(91) 3212-5525

Posts relacionados
A Portinha de Belém
Casa das Onze Janelas em Belém
Desfile de Carnaval em Belém
Forte do Presépio, a origem de Belém
Mercado Ver-o-peso, conhecendo a cultura paraense

Read Full Post »

Older Posts »